Gravidez após cirurgia bariátrica

cirurgia de redução de estômago é a solução encontrada por pessoas que sofrem de obesidade mórbida e que precisam emagrecer com urgência para não colocar a saúde em risco. Este método agressivo muda completamente o corpo e a mentalidade da paciente, mas será que a impede de engravidar?

De acordo com a ginecologista e obstetra Bárbara Murayama, a mulher pode ter filhos após passar pela cirurgia bariátrica, mas necessita de uma série de cuidados extras e de um acompanhamento médico mais rigoroso.

Cuidados na gravidez após cirurgia de redução do estômago

“Esta é uma gestação de risco. Quem fez a cirurgia passa a ter deficiência na absorção de nutrientes, o que pode afetar o desenvolvimento e o ganho de peso da criança”, explica a especialista. “Por isso, o ideal nestes casos é que haja um acompanhamento multidisciplinar: ginecologista, nutricionista e gastroenterologista”.

 A alimentação merece um cuidado especial. Por ter dificuldades em absorver vitaminas e minerais, a mãe pode não transmitir ao feto todos os nutrientes de que ele precisa, resultando na restrição do crescimento dele. A ingestão de suplementos e o acompanhamento médico se fazem necessários nestas situações.

Depois da cirurgia, a mulher fica sujeita a crises de hipoglicemia, que só podem ser evitadas com a alimentação regrada. “O paciente que foi obeso passa mal ao ingerir grandes quantidades de alimento. Por isso, a solução é comer pouco e sempre. No máximo de três em três horas. Para algumas grávidas, é necessário diminuir este intervalo”, afirma a especialista.

A produção de leite também pode ficar comprometida pela baixa concentração de nutrientes no corpo da mãe. “Pode ser que ela amamente apenas parcialmente por não produzir leite suficiente ou que produza leite, mas ele seja pobre em nutrientes. Mas isso só é possível saber ao acompanhar o ganho de peso da criança”, esclarece.

Riscos da obesidade

A mãe obesa expõe o bebê a uma série de doenças, como pressão alta e diabetes, além de estar mais propícia ao trabalho de parto prematuro, eclampsia, descolamento de placenta e aborto.

Vale ressaltar que a cirurgia bariátrica obriga a mulher a adotar um estilo de vida mais saudável, que certamente será passado à criança. “Os filhos comem o que os pais comem. Ao mudar a atitude alimentar, a mãe deixa os pequenos menos sujeitos a desenvolver obesidade ou doenças como hipertensão”, explica.

 

cupom1

Por mais incrível que possa parecer, esta pergunta é muito recebida em nosso blog e contatos com novos bariátricos aqui pelo facebook/instagram.

Não estou aqui recriminando a pizza mas sim a pergunta, poderia ser o pudim, algum fastfood ou qualquer outra comida com base em farinha refinada e\ou açúcar.

Mas vamos pensar o seguinte, quando você acorda diariamente, é isso que deseja?(se respondeu que sim, mesmo que por brincadeira, volte duas casas no jogo contra a obesidade kkkk) Quando a pessoa que você se espelha para um futuro melhor abre os olhos pela manhã, será que é isso que ela deseja? Agora vamos pensar mais seriamente ainda: Imediatamente após acordar no centro cirúrgico, onde passará por uma cirurgia que tem sim um certo risco, abrirá os olhos e perceberá que está vivo e estará recebendo uma nova chance de fazer tudo diferente e ter uma vida mais saudável, é isso que irá desejar? Acredito que não !

Eu, particularmente, acordei do centro cirúrgico pensando em minha filha, agradecendo pela cirurgia ter dado certo e que estava tudo bem, agradeci por esta nova chance de redescobrir todos os gostos e desejos novamente, acordei desejando fazer diferente e fazer com que as pessoas que apostaram em mim tenham orgulho e as que duvidaram de mim sintam orgulho também (sem rancor né?!)

Vamos fazer diferente, sem neuras e aproveitando as situações sabiamente, mas sem pensar nos mesmos erros como padrão de vida novamente. Acredite em você, vai dai dar certo!

 

Você sabe quais as fases de pré e pós-operatório da cirurgia bariátrica?

Pré-Operatório

O preparo pré-operatório otimiza a segurança e os resultados da cirurgia bariátrica e metabólica. Solicita-se ao paciente que se esforce para perder um pouco de peso antes da cirurgia, pois alguns quilos a menos podem oferecer melhores condições à anestesia geral e à operação.

Nessa fase, também é obrigatório o preenchimento do documento Consentimento Informado, no qual o paciente reconhece estar devidamente informado sobre os benefícios e riscos da cirurgia.

No pré-operatório, o paciente deve realizar uma série de exames, como endoscopia digestiva, ultrassom abdominal e exames laboratoriais, além de passar em consulta com os profissionais obrigatórios: endocrinologista, cirurgião, cardiologista, psiquiatra, psicólogo e nutricionista.

 

Pós-Operatório

O paciente deve fazer consultas e exames laboratoriais periódicos no pós-operatório, conforme o tipo de cirurgia e as rotinas estabelecidas pela equipe responsável. Em caso de comorbidades, elas devem ser acompanhadas por profissionais especialistas nessas doenças.

No pós-operatório, recomenda-se ao paciente atividade física e complemento vitamínico. E, nas operações abertas, recomenda-se ainda o uso da faixa abdominal.

Embora muito raramente, a cirurgia pode gerar complicações, como infecções, tromboembolismo (entupimento de vasos sanguíneos), deiscências (separações) de suturas, fístulas (desprendimento de grampos), obstrução intestinal, hérnia no local do corte, abscessos (infecções internas) e pneumonia. Além disso, sintomas gastrointestinais podem aparecer após a refeição. Os pacientes predispostos a esses efeitos colaterais devem observar certos cuidados, como reduzir o consumo de carboidratos, comer mais vezes ao dia – pequenas quantidades –, e evitar a ingestão de líquidos durante as refeições.

Pacientes submetidos à cirurgia de duodenal switch podem apresentar reações no pós-operatório, como desnutrição, fezes de forte odor e diarreias, pois essa é uma operação que privilegia a má absorção de alimentos.

Fonte

http://www.sbcbm.org.br/wordpress/tratamento-cirurgico/beneficios-e-preparacao/

 

cupom1

Whey Protein !

Queridinho dos adeptos da musculação, lutas e outras atividades físicas, o whey protein também é uma boa opção para as pessoas que se submeteram à cirurgia bariátrica. Após a operação, elas ficam incapazes de armazenar grandes quantidades de alimentos no estômago, o que limita o volume de suas refeições. Nesse contexto, o whey protein se torna uma ótima alternativa para manter o aporte proteico necessário para o bom funcionamento do organismo.

A cirurgia bariátrica é uma excelente estratégia para a redução de peso e controle de doenças crônicas não-transmissíveis em indivíduos com IMC acima 40 ou IMC entre 30 e 40 associado a Diabetes, Hipertensão, Síndrome Metabólica, Hipertrigliceridemia e Hipercolesterolemia). A consequência é o comprometimento da estrutura muscular, além de promover a perda do tecido adiposo dos pacientes. Por conta disso, a oferta proteica para os bariátricos deve ser feita com atenção redobrada.

“O whey protein ajuda na preservação da massa magra (músculos). Além das alternativas animais como peixe, carne, ovo, frango, leite e derivados, o suplemento também é uma excelente fonte de proteína.

A relação da suplementação com a cirurgia bariátrica se dá por conta da manutenção e preservação da massa muscular e aporte proteico do paciente. Após a redução do estômago, muitos não conseguem digerir a quantidade de proteína diária recomendada, o que torna o whey protein  uma ótima opção para o resto de suas vidas.

Suplemento fornece aporte proteico necessário para o bom funcionamento do organismo que, após a operação, se torna incapaz de armazenar grandes quantidades de alimentos no estômago.
Suplemento fornece aporte proteico necessário para o bom funcionamento do organismo que, após a operação, se torna incapaz de armazenar grandes quantidades de alimentos no estômago.

Contraindicações e benefícios do whey protein

Contraindicado aos alérgicos da proteína do leite, o whey protein pode ser substituído por outros suplementos à base de aminoácidos, como o colágeno hidrolisado, e até mesmo por suplementos proteicos de origem vegetal, como a proteína do arroz, ervilha ou alcachofra.

“Ao longo do dia, esses suplementos devem ser intercalados com uma alimentação equilibrada e rica em alimentos proteicos, como leite, frango, peixe, carne e ovo”. “Além do whey protein, os bariátricos também podem se beneficiar com colágeno, ômega 3, lactobacilos e glutaminas.”.

Crianças, adolescentes, gestantes, idosos e enfermos, também podem consumir o whey protein desde que devidamente indicado por um profissional, que apontará a melhor maneira de inclusão do suplemento na rotina alimentar de cada pessoa.

Entre os seus benefícios, podemos apontar a manutenção e desenvolvimento muscular, a saciedade e a cicatrização. Também reforça o sistema imunológico.

Indicado por muitos profissionais para pacientes pós cirurgico, o Whey da Beltnutrition é um whey completo e sem açúcar. Utilize o cupom BARIATRICOS no site www.beltnutrition.com.br e compre com excelentes descontos !

Indicado por muitos profissionais para pacientes pós cirurgico, o Whey da Beltnutrition é um whey completo e sem açúcar. Utilize o cupom BARIATRICOS no site www.beltnutrition.com.br e compre com excelentes descontos !

Menos sono: risco aumentado de diabetes e obesidade

Dormir menos de nove horas por noite pode predispor à obesidade e diabetes, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Leeds, no Reino Unido, que estudaram o impacto do sono no metabolismo. Estudos anteriores já tinham apontado o risco para pessoas que dormem menos de sete horas por noite.

No atual estudo, foi analisado o padrão de sono  e o perfil metabólico global dos participantes: de 1.615 adultos entre 10 e 65 anos. Foram considerados: pressão arterial, glicemia, colesterol e função da tireoide, além, do tempo de sono e diário das refeições. Foi verificado que a medida da cintura das pessoas que dormiam uma média de seis horas por noite era de três centímetros a mais que dos participantes que dormiam pelo menos nove horas por noite. Os que dormiam menos apresentaram mais chance de ter excesso de peso.

Outra alteração metabólica importante foi a redução do HDL – o chamado bom colesterol – em adultos que dormiam menos. O referido estudo, ao contrário de outros já realizados nessa linha, não mostrou piora nos hábitos alimentares dos que dormem menos em comparação aos que dormem mais.

O aumento da circunferência da cintura está ligada ao aumento da gordura visceral, que se acumula ao redor de órgãos como fígado, pâncreas e intestino, que acaba também por afetar de forma negativa a função hormonal e a resistência à insulina, levando a um processo inflamatório e ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 e doença cardíaca.

 

cupom1

Nunca foi tão fácil engordar. Entenda os 7 principais motivos

A culpa não é apenas do sedentarismo.

Nunca foi tão fácil engordar como agora… e não é difícil perceber o porquê. Se outrora os empregos eram agitados e implicavam andar de um lado para o outro, agora a tendência é passar mais de nove horas sentado em frente a um computador e com pouca ou nenhuma vontade de levantar para o que quer que seja. Mas esta não é a única causa (de todo).

Os níveis de obesidade estão elevados um pouco por todo o mundo e são vários os fatores que contribuem diretamente para esta doença de peso que teima em não parar e que vai muito além do aumento do tamanho das peças de roupa.

Tal como a ciência tem vindo a provar nos mais recentes estudos e tal como a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) já fez questão de frisar, a obesidade é um trampolim para a má saúde, contribuindo negativamente para o coração, a mente, os ossos, os músculos e todo e qualquer outro órgão.

Segundo o site Deporte y Vida do jornal espanhol As, são sete os fatores que mais contribuem para o aumento de peso entre as pessoas de todo o mundo, mas especialmente entre os jovens, que se assumem como a faixa etária de mais peso (especialmente em Portugal). Eis o que nos faz engordar com tanta facilidade:

1 – Ambiente não saudável. Seja num supermercado, numa mercearia, numa padaria, num restaurante ou numa cantina, estamos rodeados de opções alimentares que são tudo menos saudáveis.

2 – Sedentarismo. Além dos empregos ‘de cadeira’ dos dias de hoje, existe ainda a tendência para não se praticar o exercício físico necessário para combater as consequências do sedentarismo.

3 – Comprar mal os alimentos. Uma ida ao supermercado resume-se, muitas vezes, na escolha dos alimentos mais práticos e fáceis de consumir, ou seja, nos alimentos que são altamente processados e que nada bem fazem à saúde. A ingestão de alimentos industrializados e repletos de açúcar, gordura saturada, sódio e químicos é um dos maiores inimigos da saúde pública. Aprenda a decifrar os alimentos processados e saiba quais não deve voltar a comprar.

4 – Falta de planificação. Diz a publicação que as pessoas tendem a engordar pelo simples facto de não planearem as refeições, deixando-se render à azáfama do dia a dia e a todos os alimentos viciantes que se consomem num abrir e fechar de olhos.

5 – Acreditar no milagre das dietas. Tudo o que promete uma perda de peso rápida não é de fiar e nem tão pouco é eficaz. Porquê? Porque se assim o fosse não existiram tantas pessoas com excesso de peso no mundo. O termo dieta deve ser entendido no sentido de regime alimentar a longo prazo, ou seja, as pessoas devem procurar te ruma alimentação saudável todos os dias e não apenas quando decidem fazer dieta (um hábito que faz com que desistam com facilidade e voltem aos maus hábitos num instante).

6 – Açúcar em todo o lado. Dos bolos às bolachas, passando pelos pães e pelas tostas, nunca esquecendo as bebidas gaseificadas, os sumos de fruta e os chás já prontos. O açúcar está em todo o lado e não faz apenas ganhar peso… tira anos de vida.

7 – Medicamentos a mais. A toma elevada de medicamentos como os antidepressivos está associada ao aumento do apetite e à incapacidade de sentir saciedade, algo que faz com que as pessoas comam mais e optem quase sempre por alimentos calóricos e reconfortantes.

 

cupom1

0c2f036a-709a-490e-aafc-8d288b141f68

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você já frequentou uma academia, ou ao menos conhece alguém que seja aficionado pela prática de musculação, já deve ter ouvido falar no suplemento Whey Protein. Da mesma forma, provavelmente já sabe também que essa proteína funciona como um elemento eficaz na estratégia para diminuir a fome — ou aumentar a saciedade — durante as dietas, mas você sabia que ela também age como arma contra a obesidade e diabetes tipo 2?

Proteínas em geral variam em sua capacidade de diminuir a hiperglicemia pós prandial — em outras palavras, o alto nível de glicose no sangue no período após a refeição —, mas proteínas do leite têm se mostrado excepcionalmente competentes ao provocar a produção de insulina, sendo Whey a mais eficiente entre elas, nesse aspecto.

O suplemento também demonstrou ter potencial termogênico, ou seja, ele faz subir a temperatura corporal, batimentos cardíacos e a disposição para a prática de exercícios, além de ter função estimulante. Para completar, estudos têm mostrado que elevações de leucina, aminoácido encontrado no Whey, anulam parcialmente a ingestão de calorias e aumentam os hormônios que mantêm você sem fome.

Dessa forma, ajudando a dar aquele pique na hora da atividade física — e consequentemente incitando uma maior perda de calorias no processo — e induzindo em nosso corpo a fabricação de insulina, hormônio responsável pela taxa de glicose no sangue, a proteína Whey atua como agente de prevenção contra a obesidade e diabetes tipo 2.

 

ADQUIRA EM NOSSO SITE ESTE PRODUTO COM DESCONTOS EXCLUSIVOS

WWW.BELTNUTRITION.COM.BR

 

 

1162febe-dbc3-4553-ba45-6b96a14f352a

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As vitaminas exercem diversas funções em nosso organismo, todas elas indispensáveis.

BELT +23 SOFT é o polivitamínico e polimineral que atende 100% de suas necessidades diárias. É um dos mais completos e balanceados do mercado, possui 23 micronutrientes. Na forma de cápsulas gelatinosas, prático e fácil de ingerir. Os minerais são quelados, o que favorece em até 90% a absorção.

Benefícios:

  • Melhorar a imunidade
  • Combater os radicais livres
  • Melhorar a disposição, memória e concentração
  • Atender suas necessidades diária

Algumas pessoas não tem dificuldades em deglutir, dessa forma, conseguem ingerir cápsulas gelatinosas tranquilamente. Por isso, a Belt Nutrition lançou o Belt+23 Soft sem sabor em cápsulas gelatinosas. Para quem tem essa dificuldade há a opção do Belt +23, em pastilhas mastigáveis e muito saborosas.

São recomendadas 3 cápsulas ao dia. O Belt 23 Soft contém 23 micronutrientes (vitaminas e minerais) nas quantidades adequadas para adultos. É muito importante para pessoas que não conseguem ingerir todas as suas porções diárias de vitaminas e minerais com a alimentação, para quem fez cirurgia bariátrica, que naturalmente não absorve todos estes nutrientes, para gestantes que possuem sua recomendação nutricional elevada nesta fase da vida. Vale ressaltar que o objetivo da suplementação é complementar a dieta e nunca substituir uma alimentação balanceada.

*Produtos NÃO testados em animais.

*Consulte seu médico ou nutricionista.

cupom1

Balança também é adversária

Por fatores diversos, atletas profissionais também travam batalha diária contra o excesso de peso

Eles são submetidos a cargas exaustivas de exercícios físicos todos os dias, recebem alimentação balanceada e têm apoio dos melhores profissionais das áreas de fisiologia e preparação física. Mas nem por isso estão livres de problemas com a balança. Alguns atletas profissionais também lutam diariamente contra os indesejáveis quilinhos extras.

Nem sempre o excesso de peso está ligado a um mau comportamento do atleta longe dos olhares da comissão
técnica. Fatores genéticos e hereditários contam bastante nesta hora, apesar de a questão ainda dividir a opinião de especialistas.

Um dos exemplos mais conhecidos é do atacante Walter, 27, que passou pelo Cruzeiro e hoje está no Atlético-GO. O jogador já fez vários trabalhos específicos para perder peso, mas nunca conseguiu se livrar de fato do problema.

Thalles, 22, atacante do Vasco, é outro que sofre com a situação. Precisou passar três semanas e meia em regime de internato em um hotel, monitorado 24 horas pela equipe do clube, para chegar ao porcentual ideal.

Líbero do Praia Clube, Suelen, 29, foi além. A jogadora de vôlei submeteu-se a uma cirurgia de redução de estômago para controlar o excesso de peso, que sempre a incomodou dentro e fora das quadras.

“Existem fatores genéticos que contribuem, mas também o histórico do indivíduo conta bastante. Se o atleta tem histórico de obesidade na infância, vai carregar características que favorecem o ganho de peso”, explica a mestre em educação física e professora Débora Romualdo Lacerda.
A médica endocrinologista Ana Clara Réche aponta outros fatores. “Algumas pessoas têm tendência maior ao acúmulo de peso por determinação genética. Fora isso, há uma série de alterações hormonais, que não indicam doença, mas deixam a pessoa com certa limitação metabólica”, diz ela.

Mas não é só isso. O acumulo de peso em atletas profissionais ou em pessoas comuns pode estar relacionado ainda a muitos outros fatores. “Tem também fatores externos, como o estresse mesmo. As pessoas e os atletas vivem num mundo muito sobrecarregado, que gera um estresse crônico que, querendo ou não, interfere nas vias metabólicas que favorecem a perda de peso. Tem também a falta de um sono adequado. São vários fatores, alguns mais técnicos”, completa a médica.

Com 28 anos de atuação na área esportiva, a nutricionista e mestre em bioquímica e imunologia Carmen Zita Pinto Coelho acredita que o excesso de peso de alguns atletas está muito mais relacionado aos hábitos alimentares de cada um.

“O metabolismo não tem uma diferença muito significativa, que seja importante no sentido de que o de uma pessoa é alto e o de outra é baixo. Não é bem assim que funciona. O metabolismo fica realmente mais baixo quando a pessoa é sedentária, que não é o caso dos atletas, ou quando há uma retirada de carboidratos maior do que deveria”, explica.

Uma vez obeso…

Nutricionista e doutora em saúde pública pela UFMG, Janaina Lavalli Goston dá uma explicação bem clara do por quê de algumas pessoas adultas terem tanta dificuldade com os ponteiros da balança. “A obesidade se desenvolve com o aumento do tamanho da célula adiposa e do número delas. Antes, achava-se que o organismo só produzia novas células adiposas em determinadas fases da vida. Hoje, sabe-se que isso não é verdade”, explica Janaina. “Quando há redução de peso, não há diminuição do número de adipócitos. Eles apenas diminuem seu diâmetro, mantendo-se aptos a retornar ao diâmetro anterior. Ou seja, uma vez obeso, o indivíduo sempre será obeso em potencial. A pessoa nunca perde as células de gordura que acumulou ao engordar”, completa ela.

Ganho de peso é bastante comum em ex-atletas

Quem também sofre com a balança são os ex-atletas. Acostumados a altas cargas diárias de exercícios físicos, quando eles penduram as chuteiras e diminuem drasticamente a prática de exercícios físicos, os efeitos são nefastos.

Aliados a isso, vem uma alimentação nada regrada, bem diferente da que estavam acostumados quando ainda atuavam. Nomes como os do ex-atacante Ronaldo, revelado pelo Cruzeiro, do ex-lateral Branco, do Flamengo e da seleção brasileira, além do craque argentino Maradona, são exemplos claros desta situação.

“O gasto energético diário de um atleta profissional – isso não em dia de jogo – gira em torno de 3.000 a 3.500 mil calorias. Quando ele para, ele reduz muito esse gasto. Se o ex-atleta não fizer uma outra atividade para tentar manter o gasto energético a que o organismo está acostumado, o ganho de peso vai acontecer”, explica a nutricionista Débora Romualdo Lacerda.

“A tendência é que ele continue com uma ingestão alta de calorias. Quando ele reduz o gasto energético e continua ingerindo a mesma quantidade de calorias, vai favorecer muito o ganho de peso”, completa Débora.

Mas, na maioria dos casos, cansados da rotina e das exigências da carreira, além de problemas com lesões, alguns ex-jogadores abandonam completamente o contato com o esporte após a aposentadoria.

IMPORTANTE

Equilíbrio. Atletas ou não, uma dica importante dada por todos os nutricionistas é a reeducação alimentar. Os profissionais ouvidos pela reportagem recomendam evitar dietas muito restritivas, que surgem a cada dia. Procurar ajuda de um profissional é fundamental.

Carboidratos. A presença dos carboidratos nas refeições, principalmente dos atletas profissionais ou não, é necessária. Eles são fonte de energia que o organismo vai utilizar na hora do treinamento.

Flexibilidade. Moderação é a palavra-chave. Grande parte dos nutricionistas recomenda comer de tudo, mas sem exagerar nas quantidades. Se você exagerou em um dia, aumente o controle um pouco mais nos dias seguintes.

cupom1

Olá pessoal, outro assunto que foi sugerido por nossos leitores: a utilização do dreno após a cirurgia bariátrica.

O dreno é um pequeno tubo fino que é inserido na pele após uma cirurgia para ajudar a retirar o excesso de líquidos, como sangue e pus, que se podem acumular no local operado. Na maioria dos casos, o dreno é inserido abaixo da cicatriz da cirurgia e, é fixado com pontos ou grampos, e pode ser mantido por cerca de 1 a 4 semanas, normalmente quando parar de sair secreção.

Existem diferentes tipos de drenos, por exemplo de borracha, plástico ou silicone.

Embora seja frequente em muitas cirurgias, o dreno não é colocado em todos os tipo de cirurgia, sendo usado apenas quando há grandes chances de sair líquidos como acontece em cirurgias abdominais, como cirurgia bariátrica, no pulmão ou na mama, por exemplo.

O uso do dreno é bastante desconfortável, porém o paciente deve manter-se em repouso enquanto estiver utilizando, conforme solicitado pelo médico, pois corre o risco de arrancá-lo e causar um ferimento na pele. O médico poderá também receitar um analgésico para diminuir esse desconforto. As complicações do uso do dreno são raras, porém deve-se tomar o máximo de cuidado.

Deve-se também fazer a higiene do local, duas vezes por dia ou conforme orientação médica.

É possível tomar banho com o dreno, desde que seja coberto a região para que não molhe, pois pode causar infecção.

Ao contrário do que muitos acham, a retirada do dreno não dói. A retirada é feita normalmente no consultório do médico e não é necessário levar pontos, pois os buraquinhos fecham sozinhos.

Deve ir no médico se houver:

  • Vermelhidão, inchaço ou pus em torno da inserção do dreno na pele;
  • Dor intensa no local do dreno;
  • Cheiro forte e desagradável no curativo;
  • Curativo molhado;
  • Aumento na quantidade de líquido drenado ao longo dos dias;
  • Febre acima de 38º C.

Estes sinais indicam que o dreno não está a funcionar corretamente ou que pode haver uma infecção, sendo muito importante identificar o problema para fazer o tratamento adequado.

Lembrando que, este post é informativo.  Você deve seguir SEMPRE as orientações do seu médico.

 

cupom1